Medidas de cautela, higiene e proteção são todas pertinentes e absolutamente bem-vindas. Servem, não somente para proteção pessoal, mas de pessoas idosas, com comorbidades e que são as mais suscetíveis a complicações.

Protegem a todos, mas, sobretudo, quem sempre fez muito por nós. Isolamento de quem tem sintomas e agora de todos nós.

Refúgio em casa e evitar aglomerações são medidas fundamentais que redefinem o mapa de contaminação, mas obviamente exigem uma reconfiguração de nossas vidas.

É preciso que a população faça sua parte. Fique em casa. Se não houver o que falar, se cale, apenas ore.

Não espalhe fake news, não espalhe mais pânico. Depressão, angústia e negativismo não são remédios para se enfrentar momentos de crise.